31 dezembro 2013

Frederico Füllgraf - Feliz Ano Velho

Ilustração|: divulgação

Hoje, longe do chão da minha infância, mas também do meu exílio,
sou só...

Viagem

Em torno da odisseia das ilhas, creio levar
Neste puro desejo que me transcende, a senha
E a palavra-chave de os labirintos serem aqui
Simples lugares de passagem, apenas paisagem...

O andarilho palmilha todas as dunas, areias
De intermináveis desertos e todas as ondas
Que os oceanos concedem, quando furibundas
Ou, mesmo, serenadas e das praias acariciadas...

Sem culpa, nem sina – ou de job puro devedor -,
Percorro de lés a lés o mapa que é de ti e do mundo
Como quem responde à morte o saldo estival...

Como quem salta para a eterna idade da vida
E fica suspenso entre a estrela e sua cadência
A riscar, de viajar tão-somente, o céu da noite...”.

(Filinto Elísio Correia e Silva, poeta de Cabo Verde).

Hoje, saúdo o Novo ano, agradecendo ao ano Velho.

Em terras que me acolheram além-cordilheira, concedeu-me da conquista o mais sublime prêmio: a amizade, o afeto, a fraternidade.

Ode à Amizade

Se depois do infortúnio de nascermos
Escravos da Doença e dos Pesares
Alvos de Invejas, alvos de Calúnias
Mostrando-nos a campa
A cada passo aberta o Mar e a Terra;
Um raio despedido, fuzilando
Terror e morte, no rasgar das nuvens
O tenebroso seio
A Divina Amizade não viera
Com piedosa mão limpar o pranto,
Embotar com dulcíssono conforto
As lanças da Amargura;
O Sábio espedaçara os nós da vida
Mal que a Razão no espelho da Experiência
Lhe apontasse apinhados inimigos
C'o as cruas mãos armadas;
Terna Amizade, em teu altar tranquilo
Ponho — por que hoje, e sempre arda perene
O vago coração, ludíbrio e jogo
Do zombador Tirano.
Amor me deu a vida: a vida enjeito,
Se a Amizade a não doura, a não afaga;
Se com mais fortes nós, que a Natureza,
Lhe não ata os instantes.
Que só ditosos são na aberta liça
Dois mortais, que nos braços da Amizade,
Estreitos se unem, bebem de teu seio
Nectárea valentia.
Tu cerceias o mal, o bem dilatas,
E as almas que cultivas cuidadosa,
Com teu suave alento aformosentam-se
Medradas e viçosas.
Caia a Desgraça, mais que o raio aguda
Rebente sobre a fronte ao mal votada
Mais lenta é a queda, menos cala o golpe
No manto da Amizade:
E se desce o Prazer, com ledo rosto
A alumiar o peito de Filinto,
A chama sobe, e vai prender seu lume
Na alma do fido Amigo.”
(Filinto Elísio, poeta pre-romântico português do séc. XVIII).


Por isso, antes que o sol se ponha em minha austral latitude, louvo com desculpas pela incompletude

Adolfo Millabur, Alcalde de Tirúa, lonko valente e sábio Lafkenche;
Alejandra Melgarejo, incansável militante da mesma causa originária;
Alejandro Lavquén, insigne poeta santiagueño, nos falamos há dois anos, sem que jamais tocássemos de nossas camisas o pano;
Antonia Cabezas, teimosa editora, contra o “meinstrim” laboriosa autora;
Carlos Fritz, irmão de Eulogio, o lutador desaparecidocompanheiro sofrido;
Cosme Caracciolo, pescador das orlas de San Antonio, esgrimista de utopico patrimônio;
Cristina Pizzaro e Felipe Castillo, escultores do belo, sempre ali, ancorados na Negra Ilha de Neftali;
Eva Vergara, mais confidente que colega de periodismo - “el mejor ofício del mundo”, como disse García Márquez em instante fecundo;
Juan, meu vizinho, cujo sobrenome esqueço, companheiro de muitos mates amargos e tropeços;
Juan Carlos Cárdenas, guerrilheiro dos oceanos e suas gentes do mar hispano;
Luiz Claudio Cunha, monumento do jornalismo, gaúcho hermano, corpo e alma blindados ao cinismo;
Luiz Egypto, do Observatório da Imprensa inspirado editor, de vinhos chilenos o sei escolado bebedor;
Aos três Manuéis- ao Andrade, que se escreve “Manoel”, bardo brasileiro, veias abertas saturadas de Américas e mel, - ao Araya, chofer de Neruda, que me liga toda semana, como fosse o anjo da guarda que me escuda, - ao Mirabur, Araucano de Elicura, que em seu fundo cultiva plantas da paz e seiva pura;
Maria José Vieira de Souza, livre-pensante, algarvia amizade, onde se abraçam   os mares da minha “sodade”;
Mauro Lando, dos fratelos o mais antigo, tradutor de línguas babélicasirmão frequente abrigo;
Mauro Mosciatti Olivieri, que mal minha voz com sotaque brasileiro pressentiu, e quis contratá-la la para o que foi Rádio Lota e hoje se chama Biobío (continuo na escuta, Mauro – ouviu!);
Millaray Painemal, amazona da Araucanía, guerreira por um mundo melhor en la lejanía;
Patricio Manns, Arriba en la Cordillera reverbera tu poesía y a cada página late el Corazón a Contraluz, escrito en la ventisqueria,
Sandro, heróico policial dos humilhados, cujo nome completo é a urticária dos lesa-humanidade degenerados,
Ute Lemper, coréografa da voz, cantatriz do amor, em 2014, prometo, cantarás frente ao mar de Isla Negra para todos nós,
e
Julia, aqui fora de ordem alfabética, sin magullas ni rencores, en el jardín brotaron nuevas rosas con rubros odores.




Santa (!) Césaria  Évora - "Sodade" (Paris, 2004)


Quem mostra' bo Ess caminho longe?
Quem mostra' bo
Ess caminho longe?
Ess caminho
Pa São Tomé
Sodade sodade

Sodade
Dess nha terra Sao Nicolau
Si bo 'screve' me
'M ta 'screve be
Si bo 'squece me
'M ta 'squece be
Até dia Qui bo voltà
Sodade Sodade Sodade
Dess nha terra Sao Nicolau.

[Añoranza]

Quién te mostrará
ese largo camino?
Quién te mostrara
ese largo camino?
Ese camino para San Tomé

Te extraño  Te extraño Te extraño 
Esa tierra de San Nicolás
Si tú me escribes
(yo) te escribiré
Si tú me olvidas
(yo) te olvidaré
hasta el día
que tú regreses.


24 dezembro 2013

Ricardo Darin / Alfredo Cuervo Barrero: Queda Proibido




Homenagem do ator Ricardo Darin 
às Madres de Plaza de Mayo 


¿Qué es lo verdaderamente importante?,
busco en mi interior la respuesta,
y me es tan difícil de encontrar.
Falsas ideas invaden mi mente,
acostumbrada a enmascarar lo que no entiende,
aturdida en un mundo de irreales ilusiones,
donde la vanidad, el miedo, la riqueza,
la violencia, el odio, la indiferencia,
se convierten en adorados héroes,
¡no me extraña que exista tanta confusión,
tanta lejanía de todo, tanta desilusión!.


Me preguntas cómo se puede ser feliz,
cómo entre tanta mentira puede uno convivir,
cada cual es quien se tiene que responder,
aunque para mí, aquí, ahora y para siempre:


Queda prohibido llorar sin aprender,
levantarme un día sin saber qué hacer,
tener miedo a mis recuerdos,
sentirme sólo alguna vez.


Queda prohibido no sonreír a los problemas,
no luchar por lo que quiero,
abandonarlo todo por tener miedo,
no convertir en realidad mis sueños.


Queda prohibido no demostrarte mi amor,
hacer que pagues mis dudas y mi mal humor,
inventarme cosas que nunca ocurrieron,
recordarte sólo cuando no te tengo.


Queda prohibido dejar a mis amigos,
no intentar comprender lo que vivimos,
llamarles sólo cuando los necesito,
no ver que también nosotros somos distintos.


Queda prohibido no ser yo ante la gente,
fingir ante las personas que no me importan,
hacerme el gracioso con tal de que me recuerden,
olvidar a todos aquellos que me quieren.


Queda prohibido no hacer las cosas por mí mismo,
no creer en mi dios y hallar mi destino,
tener miedo a la vida y a sus castigos,
no vivir cada día como si fuera un último suspiro.


Queda prohibido echarte de menos sin alegrarme,
odiar los momentos que me hicieron quererte,
todo porque nuestros caminos han dejado de abrazarse,
olvidar nuestro pasado y pagarlo con nuestro presente.


Queda prohibido no intentar comprender a las personas,
pensar que sus vidas valen más que la mía,
no saber que cada uno tiene su camino y su dicha,
sentir que con su falta el mundo se termina.


Queda prohibido no crear mi historia,
dejar de dar las gracias a mi familia por mi vida,
no tener un momento para la gente que me necesita,
no comprender que lo que la vida nos da, también nos lo quita.


Alfredo Cuervo Barrero
Vizcaya, España


Nota do editor: Sete anos após ser publicado pela primeira vez por seu autor, em 2008
o poema "Queda Proibido" surge na Internet atribuído a Pablo Neruda, por isso
febrilmente reproduzido.  A lenda da falsa autoria se mantém até que seu autor, um jovem poeta vizcaíno de 22 anos de idade, vem a público cobrar sua autoria - eis sua mensagem, publicada em Caos Y Entropía:



Hola buenas tardes. Les envío este E-Mail en relación con un poema que tienen ustedes publicado en su página web, se titula Queda Prohibido y aparece atribuido a Pablo Neruda. Decirles que este poema pertenece a Alfredo Cuervo Barrero. Les estaría agradecido si me enviaran la fuente de la cual lo han sacado ya que por varias zonas de Internet aparece atribuido a Neruda.
Como prueba de mi autoría aquí les envío los siguientes puntos.
1º) El poema Queda Prohibido está inscrito en el registro de Propiedad Intelectual de Vizcaya a nombre de Alfredo Cuervo Barrero. Número de inscripción BI -13- 03.
2º) La fundación Pablo Neruda de Chile ha negado que este poema pertenezca al poeta, puede corroborarlo enviándoles un E-Mail en su página Web.
3º) Queda Prohibido fue publicado por primera vez en Internet el 23 de Julio de 2001 en la página deusto.com, un poco extraño que siendo un poema “ tan hermoso de Pablo Neruda”, como se ha comentado en ciertas páginas, no haya ni una sola Web con el poema publicado antes de dicha fecha.
De todas formas la poesía que circula en dichas páginas no es la original, sino una copia amputada de la misma. Aquí se la envío completa por si es de su agrado y desea publicarla en su página.
Sin más, un saludo.
Alfredo.

22 dezembro 2013

Manoel de Andrade: O significado do Natal

Ilustração: Jesus, o Bom Pastor - ícone russo

Nestes dias que precedem o Natal, ocorre-me pensar nas tantas portas que se fecham para o seu real significado, mascarado por estranhas personagens natalinas e maculado por poderosos interesses mercadológicos. Ocorre-me também pensar que se o Cristianismo fosse verdadeiramente interpretado não haveria tantos sectarismos e o simbolismo da manjedoura de Belém seria fraternalmente reverenciado no mundo inteiro, além da barreira das religiões.

Jesus não fundou nenhuma igreja, nem dogmatizou nenhuma religião. Trouxe-nos a imagem de Deus como um pai, mostrou a importância da religiosidade e nos revelou o significado incondicional do amor. Não escreveu nada, mas deixou, na memória de seus discípulos, a sabedoria de suas parábolas e, no Sermão da Montanha, toda a essência do cristianismo, falando do amor aos inimigos, do perdão das ofensas e da importância de dar a outra face como um caminho aberto para a reconciliação. Resumindo, quis dizer-nos que ser cristão é saber transformar o orgulho em humildade e o egoísmo em amor.

A ênfase de sua filosofia propunha a redenção humana pela educação e não pelo constrangimento. Embora abominasse o pecado, Ele amava o pecador e acreditava que educar é despertar o senso da justiça, do amor e da beleza moral que existe, potencialmente, em cada ser humano. Nesse sentido, entre tantos fatos de sua vida pública, exemplificou sua tolerância e sua caridade diante da mulher adúltera e do bom ladrão, no alto do Calvário.

Passados vinte séculos hoje perguntamos qual o significado do seu nascimento para cada um de nós. Sobretudo perguntamos quantos já leram e estudaram o seu Evangelho. Nesse singelo banco escolar que é o planeta, -- onde ainda somos espiritualmente crianças -- seu conteúdo é uma cartilha insubstituível para soletrarmos o beabá do amor, da paciência e do perdão. Diante das sabatinas diárias da vida é imprescindível aprendermos o que significa “orar e vigiar” e não fazer a ninguém o que não queremos que nos façam. Quantos são capazes de vivenciar suas lições e seus exemplos, ante as provas e os embates do dia a dia, oferecendo a outra face ante o agressor e perdoando sempre? Se já começamos a ensaiar essa difícil conduta então Jesus já nasceu para nós e temos um Natal para comemorar. Mas muitos ainda trazemos o coração fechado a essa realidade, tais como as estalagens de Belém, cujas portas se fecharam ao seu nascimento.

Se perguntássemos a Paulo de Tarso onde nasceu Jesus, ele certamente diria que foi diante das Portas de Damasco, onde chegou para aprisionar alguns cristãos da cidade. Se perguntássemos a Maria Madalena onde Ele nasceu, com certeza, responderia que Jesus nasceu para ela na casa de Simão, o fariseu. Foi ali que depois de lavar e enxugar seus pés ela ouviu sua voz compassiva perdoando-lhe os pecados.

Onde predomina o orgulho e o egoísmo --- essas patologias crônicas da alma humana --- Ele não poderá renascer, ainda que invocado em rituais e ladainhas. É imprescindível que façamos do coração uma manjedoura humilde para que Jesus possa renascer em nossas vidas. Caso contrário, além da beleza sentimental da fraternidade e o significado envolvente do Natal no seio da família, temos apenas uma data histórica para comemorar, com muitos presentes, a figura patética de um Papai Noel, um banquete de sabores e aparências e o apego às ilusões do mundo.

19 dezembro 2013

Frederico Füllgraf - "Se ela [Bachelet] for mal, buscaremos outro Pinochet!”



Empresário de origem nazista ameaça Bachelet no dia da eleição, 
mas CNN Chile retira do ar entrevista comprometedora.

Enquanto os chilenos se dirigiam às urnas, no último domingo, 15 de dezembro, o empresário Sven von Appen, de origem alemã e dono do poderoso grupo Ultramar, concedeu entrevista à CNN Chile, na qual ameaçou abertamente Michelle Bachelet e a Democracia no país andino.
Comentando o primeiro governo de Bachelet (2006-2010), o empresário disparou: “Bem, ela não fez muita coisa, comparada com os que estiveram antes dela, especialmente Pinochet... Pinochet foi um homem...[abre os braços, como quem diz “extraordinário”] Se isso acontecer [querendo dizer: se Bachelet não corresponder às expectativas], buscaremos outro Pinochet!”. http://noticias.terra.cl/elecciones/empresario-si-bachelet-lo-hace-mal-buscamos-otro-pinochet,42fa7531c47f2410VgnVCM4000009bcceb0aRCRD.html
As reações à provocação de Von Appen foram rápidas e contundentes: Carol Cariola, deputada recém-eleita, teclou no Twitter: “Empresario pesquero Sven von Appen: Ante eventual mal manejo económico de Bachelet "buscamos otro Pinochet"/ Esto es INACEPTABLE”. A jornalista Carmen Hermosilla, célebre na imprensa digital chilena, alertou: “Von Appen es viejo rico que dicen su verdad con desparpajo. Senil? De Pinochet dijeron lo mismo para ahorrarle un juicio”.
Contudo, poucas horas depois de ir ao ar, o vídeo desapareceu do site da CNN Chile e dos comandos partidários, especialmente da Nova Maioria, nenhuma reação.
Senil” ou golpista?
Dirigido pelos irmãos Wolf e Sven von Appen, a holding Ultramar é emblema das novas fortunas engendradas pela política de privatizações da era Pinochet, como também pelas licitações promovidas durante os anos 1990, pelos governos da ex-Concertación, hoje Nova Maioria, de centro-esquerda. Mantendo denso entrecruzamento de participações com duas outras empresas chilenas, a Ultramar comanda o cartel dos negócios portuário e de agenciamento marítimo no país, mas como sócia da mina de carvão Isla Riesco e da termoelétrica Guacolda, também está presente nos setores de mineração e energia.
Não é a primeira vez que Sven von Appen causa indignação na opinião públcia chilena: em 15 de maio do ano em curso, conversando com o jornal “La Segunda” http://www.lasegunda.com/Noticias/Economia/2013/05/847586/sven-von-appen-a-los-chilenos-les-ha-crecido-tanto-el-apetito-que-no-pueden-parar-la-unica-solucion-es-una-crisis , do empresário Alvaro Saieh, sobre o momento político no Chile, Von Appen elogiou Sebastián Piñera e Pinochet - “Este ministro [da Fazenda, Felipe Larraín], este Presidente [Piñera] e oturos tantos, criaram o presente avanço do Chile, bastante singular, avanço que já tivemos anteriormente, com um presidente muito bom [Pinochet]", e completou, saindo-se com a seguinte pérola:”Aumentou tanto o apetite dos chilenos, que não conseguem parar. Isso vai engordá-los e acomodá-los e, a meu ver, a única solução solução é uma crise internacional ou chilena, de caráter financeiro... para que o chileno caia na real...".
Ao ser questionado, como seria originada a crise apontada como solução, advertiu sem papas na língua, uma saída golpista: “Ganhando a esquerda comunista, provocará a instabilidade econômica”.
Traduzindo: apesar das gritantes desigualdades sociais provocadas pelo “modelo” neoliberal pinochetista que sobrevive no Chile, Von Appen insurge-se até mesmo contra a incipiente mobilidade social e as migalhas atiradas aos pobres, sob forma de cartões de credito e endividamento, atitude que deixou transparecer não apenas seu viés selvagem do capitalista inescrupuloso, mas também o olhar mesquinho e racista sobre o chileno humilde.

O rebocador das atrocidades

Para apagar o incêndio de indignação que tomou conta dos meios de comunicação chilenos, em carta enviada ao “La Segunda”, esposa e filhos de Von Appen apressaram-se em atibuir ao patricarca sintomas de desequilibrio que “nos obliga a compartir algo que considerábamos propio de la intimidad de nuestra família... Sucede que desde hace algún tiempo nuestro padre sufre de una enfermedad degenerativa propia de la vejez contra la cual lucha día a día...”, justificou a família, em atitude que devolveu aos chilenos a lembrança da declaração de “incapacidade” conferida a Pinochet em 2003, para garantir sua impunidade.

Como a maioria dos grandes empresários chilenos, Von Appen é pinochetista convicto e ostenta um currículo manchado pelas atrocidades da ditadura Pinochet: no início do novo milênio, adquiriu da empresa de navegação Kenrick o rebocador “Kiwi”, utilizado durante a ditadura militar pela Marinha chilena na baía do Porto de San Antonio como plataforma para lançar ao mar 400 presos políticos assassinados pela DINA, caso ainda investigado pela Justiça chilena. Diante das denúncias dos movimentos de DDHH, a Ultramar de Von Appen dedidiu mudar o nome do rebocador para “El Brujo” (sic!) e transferi-lo para suas operações em águas peruanas.

Filho de espião nazista

Wolf e Sven von Appen são filhos de Julius von Appen, fundador do grupo Ultramar, mas antes disto, espião nazista, preso e extraditado pelo Chile em 1945.

Conforme pesquisa realizada pela historiadora María Soledad de la Cerda em seu livro “Chile y los Hombres del Tercer Reich” (Ed. Sudamericana chilena, 2000), Julius von Appen chegou ao Chile em 1937, em missão assaz diferente da descrita no portal do Centro de Empresas Familiares Albert von Appen da Universidade Adolfo Ibañez, que o apresenta como respeitável capitão da marinha mercante alemã, que desembarcara no país andino com esposa e dois filhos em busca de um novo futuro.

Com o nom de guerre “Apfel” (maçã), Von Appen liderou no Chile uma rede de espiões de Hitler, que não apenas observavam o movimento marítimo em portos chilenos, mas cuja missão incluía ações de sabotagem ao longo da costa do Pacífico. A identidade de “maçã” - Julio Alberto von Appen Oestman - acabou descoberta pelo Departamento 50, a então unidade de contra-espionagem chilena, fortemente pressionada pelos EEUUA, por sua vez informados de que Von Appen tinha por encomenda em Berlim, explodir fábricas, barcos e também o Canal do Panamá.

Detido pela primeira vez em 1942, já em liberdade, Julius von Appen instalou-se numa pequena granja em Limache, como criador de frangos. Preso em 1945, foi internado em um campo de prisioneiros de guerra nos EEUUA, onde ganhou a liberdade em 1948, retornando ao Chile.

Em entrevista concedido em 8 de abril de 1948 ao jornal “La Hora”, o ex-espião justificou sem o menor cosntrangimento as razões de seu envolvimento na rede de espionagem nazista: “Por um motivo muito simples. A Hamburgo American Line, da que eu era empregado, me designou inspector marítimo, com base neste país. Fui e sou militante ativo do partido nazi. Não o nego, do mesmo modo como o sr. tampouco ocultaria sua filiação política. Mas havia uma consideração mais forte, eu sou alemão e me sinto alemão em qualquer ponto do globo terrestre (…). Sim, sempre mantive contato com Berlim e meu partido. No Chile, criei uma filial, com ela deveria difundir onde fosse o novo espírito germano. Era meu dever (…).”



13 dezembro 2013

Frederico Füllgraf - Michelle Bachelet entre “os mercados” e o clamor das ruas

Ilustrações: divulgação

A direita, que em menos de um ano escalou três candidatos, dos quais dois renunciaram – o último deles, o pinochetista Pablo Longueira, afetado por grave crise de depressão – disputa o páreo com Evelyn Matthei, filha de um general que durante catorze anos integrou a ditadura Pinochet, e que nada fez para impedir a prisão e a morte de seu colega de farda, Brigadeiro Alberto Bachelet, pai da candidata de centro-esquerda, falecido nas masmorras da ditadura chilena em março de 1974. Indiferente à derrota que sua candidata sofrerá no próximo domingo, 15, Sebastián Piñera, dono de patrimônio avaliado em 2,5 bilhões de dólares, retorna aos seus negócios, distribuídos entre línhas aéreas, o clube de futebol Colo Colo, administradora de cartões de crédito e supermercados.
Para Evelyn Matthei o páreo se encerra em 15 de dezembro, já para a virtual Presidente Bachelet a arrumação do país começa no dia seguinte. Seus desafios são enormes: o  Chile não apenas vive sob  uma democracia amordaçada pelo legado pinochetista, com uma Constituição e leis ordinárias permeadas pelo estado de exceção, mas é também um país assimético, ultra-centralizado em Santiago, com notável dívida à diversidade e autonomia das províncias, e sobretudo um país imensamente desigual.
As 50 medidas dos primeiros 100 dias de governo
A duas semanas de assumir o poder, Bachelet terá que arrebatar a Sebastián Piñera e sua bancada direitista no Congresso, a garantia de disponiblidade orçamentária para financiar as primeiras 50 medidas que pretende implementar nos primeiros 100 dias de seu governo. A grosso modo, seu programa de governo, dilatado em quatro anos, está focado em três grandes eixos: as reformas tributária, do ensino e da Constituição. Contudo, um amplo leque de medidas emergencias tem por objetivo reduzir imediatamente  parte da dívida social acumulada. Entre elas estão a entrega dos primeiros 500, de um total de 4.500 novos berçários em todo o Chile; a criação de duas novas universidades públicas regionais, uma delas na explosiva província de  Aysén; convênios para criação das 5 primeiros escolas públicas regionais de Formação Técnica; implementação do Fundo Nacional de Medicamentos, conveniado com todas as municipalidades do país; contratação de 750 novos médicos especialistas para o sistema de saúde pública; projeto de lei que cria, a partir de  2014,  o Aporte Familiar Permanente, subsídio de combate à pobreza no valor mensal de 40.000 Pesos (equivalente a R$ 175,00) que beneficiará 2,0 milhões de famílias; programa de Formação e Capacitação Profissional para aumentar a participação feminina no mercado de trabalho,  beneficiando 300.000 mulheres, e assim por diante.
São medidas com sabor paliativo, poder-se-ia argumentar, porque a expectativa da maioria do eleitorado de Bachelet, situado à esquerda, é de que a Presidente dê mostra de vontade política para desmontar o arcabouço neoliberal inaugurado pela ditadura Pinochet, que catapultou o Chile ao topo das economias latino-americanas de maior crescimento nos últimos vinte anos, mas instalando-o também no ranking dos países socialmente mais desiguais, onde ocupa a nada invejável 6ª posição, um pouco atrás do Brasil.
“Neoliberalismo configurou corações e mentes”
Alberto Mayol, jovem sociólogo da Universidade do Chile e autor de “El derrumbe del modelo. La crisis de la economía de mercado en el Chile contemporáneo”  (Editorial LOM), campeão de vendas em 2012, alerta que “a pobreza, efetivamente, é um assunto premente, mas a desigualdade é uma manifestação que não tem semelhança imediata com a pobreza, e no Chile nunca mereceu atenção do poder constituído”.
Comentando o alto índice de abstenção no primeiro turno da eleição presidencial, Mayol assinala que o país chega à disputa “com um ciclo de impugnação agudo, no qual são objetados os valores culturais dominantes e fundamentais desse modelo de sociedade”. Ter elegido em 2010 o bilionário Sebastián Piñera, foi para o sociólogo “o tirunfo cultural do lucro como suposta forma de sociabilidade e mecanismo político”, mas ao final do quatriênio de seu mandato, a percepção dos chilenos seria de que “o lucro é coisa de Satanás”, tamanha a indignação popular com a súbita riqueza e opulência de poucos e a exclusão social de muitos (leia também deste autor, “A face perversa do ´modelo chileno”). Por isso, segundo Mayol, confirmada a tendência de sua vitória no próximo domingo, Michelle Bachelet deveria governar com protagonistas do movimento social, como a comunista Camila Vallejo, ou o deputado da Esquerda Autônoma, Giorgio Jackson, ambos ex-líderes estudantis recém-eleitos deputados.
A rigor, antes de nada mais, a nova presidente deveria promover uma revolução espiritual e cultural, porque “o neoliberalismo não apenas semeou um modelo econômico e político, mas também configurou corações e mentes”, advertiu com pena áspera e doída, Cristian Zúñiga, na edição de 11 de novembro do jornal Clarin, chileno. Segundo o articulista, o senso comum no Chile contemporâneo está contaminado por uma concepção neo-conservadora da vida, onde o individualismo, a competição desenfreada e a violência são pão de cada dia.
Os mercados e os ministeriáveis de Bachelet
Essa subcultura do “quem pode mais, chora menos”, do “vale tudo” legado pelo pínochetismo, foi a marca da transição e impulsionou a formação desenfreada das novas grandes fortunas no país, por isso é motivo de preocupação de influentes pesquisadores e jornalistas chilenos, que suspeitam “mais do mesmo”: a continuação do “modelo” das desigualdades sociais.
É fato que, desde seu retorno ao Chile, no início de 2013, quando abdicou em Nova York ao cargo de Diretora Executiva do Programa ONU-Mulheres, Michelle Bachelet vem sendo assediada por representantes dos grandes grupos econômicos do país, tais como operadores do Grupo Luksic (com 17,4 bilhões de dólares, segundo o ranking Forbes 2013, a maior fortuna do Chile e uma das maiores das Américas), da ONG Paz Ciudadana, fundada por Agustín Edwards como forum conservador que discute e emite propostas da iniciativa privada no combate à criminalidade, e até mesmo personagens de comprometedora reputação política, como Alberto Kassis, membro do Conselho Protetor da Fundação Pinochet.
O assédio é articulado com jantares, encontros privados e declarações de apoio, e sinaliza duas intenções. Reconhecendo em Bachelet a candidatura potencialmente vitoriosa, o grande empresariado quer descolar sua imagem do pinochetismo, mas também exercer sua influência, recomendando “prudência” e “governabilidade”, vocabulário restritivo que já contamina o próprio discurso da candidata socialista.
Carregando nas tintas com o título “Los personajes del terror del nuevo comando de Bachelet”, em sua edição de 14/07/2013 o jornal esquerdista “El Ciudadano” advertiu para umthink tank chamado Espacio Público, criado em 2012 por Eduardo Engel, economista e colunista dominical do jornal “La Tercera”, de propriedade do empresário atacadista de origem árabe, Alvaro Saieh, dono de um patrimônio de 3,0 bilhões de dólares (Forbes 2013) e, junto com o Grupo El Mercurio, controlador de 90% da imprensa escrita no Chile.
Na mesma linha, Ernesto Carmona, prestigiado articulista da velha guarda e autor de “Los duenõs de Chile” (Ed. La Huella, Santiago, 2002), assinalou na edição de 24/07/2013 do jornal “Clarin”, chileno, que o próprio comando programático de Bachelet era frequentado por “uma gama de veteranos habituados a atravessar com  desenvoltura a porta giratória entre o ´serviço público´e os negócios privados. Os integrantes mais relevantes e de maior influência no time, têm como denominador comum levar em seu DNA  a ideología neoliberal”. “No insigne trato editorial de seus jornais, “La Tercera” e “Pulso”, destinado ao setor empresarial, o apoio de Saieh a Bachelet é notório”, dizia Carmona.
O temível “engenheiro da previdência”
Talvez o personagem mais polêmico do comando programático da futura presidente socialista seja  mesmo Alberto Arenas, ex-diretor executivo do Orçamento no primeiro governo de Bachelet, onde se desempenhou como artífice de uma reforma previdenciária que, segundo os analistas, não tocou nos interesses dos grandes grupos privados, depois do que Arenas mudou-se para a Grupo Luksic como diretor do Canal 13 de TV, de propriedade do grupo de origem croata.
Em seu ácido artigo de julho, o “El Ciudadano” recorda que “o militante comunista e dirigente estudantil, Alberto Arenas, depois de formar-se em engenharia comercial na Universidade de Chile, abandonou as camisetas com a estampa do Ché Guevara, afrouxou o  punho cerrado e em 1991 assumiu a gerência de estudos do Banco Sud Americano. Dos anos depois, fez doutorado na Universidad de Pittsburgh, onde iniciou suas pesquisas sobre a reforma previdenciária realizada por Pinochet”.
Ligado ao senador Camilo Escalona, do Partido Socialista, agora Arenas está de volta como autor do projeto de reforma tributária de Bachelet, que pretende alocar 3% do PIB (aprox. 8,2 bilhões de dólares),  extinguir o Fundo de Utilidades Tributáveis (FUT), aumentar o imposto de renda das empresas, de 20% para 25%, e baixar a alíquota máxima para pessos físicas de 40% para 35%.
Os 3% do PIB deverão financiar a reforma da educação, mas Arenas já advertiu em entrevistas que não se alimente ilusões e que tudo seja feito com “prudência”, “seriedade” e“responsabilidade”.
Desde o primeiro governo Bachelet transcorreram cinco anos, e até mesmo Joaquín Vial, ex-presidente do fundo privado de pensões Provida, admitiu em 2012 que 60% dos pensionistas afiliados aos fundos privados, que dominam 90% do “mercado de pensões”, recebem hoje uma aposentadoria abaixo de 150 mil Pesos (aprox. R$ 650) mensais. Segundo a OCDE (2012), em torno de 20% dos chilenos de terceira idade vivem na pobreza, superando a média dos países signatários, que é de 12,8%.
Resistir e impor-se à pressão dos mercados, manter-se fiel ao diálogo com as ruas - eis o maior desafio de Michelle Bachelet.

07 dezembro 2013

Tributo a Nelson Mandela, último herói do séc.XX


O poema que inspirava Mandela 
Quando aprisionado em Robben Island, onde cumpria pena de trabalhos forçados, o líder sul-africano, símbolo da luta contra o Apartheid, encontrou nas palavras de Henley a esperança e a força necessárias para manter-se vivo. Mandela conta que toda vez que começava a esmorecer, lia e relia o texto, em busca de um "companheiro" para a dor.
‘Invictus’ é um pequeno poema vitoriano de autoria do poeta inglês William Ernest Henley. Foi escrito em 1875 e era o quarto de uma série de poemas intitulados ‘Life and Death (Echoes)’. Originalmente ele não possuía título e as primeiras edições continham apenas a dedicatória ‘To R. T. H. B.’ uma referência a Robert Thomas Hamilton Bruce, um escocês mercador de farinha e padeiro de sucesso e também um mecenas literário.
Invictus
William Ernest Henley
Out of the night that covers me,
Black as the pit from pole to pole,
I thank whatever gods may be
For my unconquerable soul.
In the fell clutch of circumstance
I have not winced nor cried aloud.
Under the bludgeonings of chance
My head is bloody, but unbowed.
Beyond this place of wrath and tears
Looms but the Horror of the shade,
And yet the menace of the years
Finds and shall find me unafraid.
It matters not how strait the gate,
How charged with punishment the scroll,
I am the master of my fate:
I am the captain of my soul.
Tradução
Dentro da noite que me rodeia
Negra como um poço de lado a lado
Agradeço aos deuses que existem
por minha alma indomável
Sob as garras cruéis das circunstâncias
eu não tremo e nem me desespero
Sob os duros golpes do acaso
Minha cabeça sangra, mas continua erguida
Mais além deste lugar de lágrimas e ira,
Jazem os horrores da sombra.
Mas a ameaça dos anos,
Me encontra e me encontrará, sem medo.
Não importa quão estreito o portão
Quão repleta de castigo a sentença,
Eu sou o senhor de meu destino
Eu sou o capitão de minha alma.

06 dezembro 2013

Frederico Füllgraf: Biobío, La Vida Mía








Fotografia: F. Füllgraf
Locação: Yumbel (Biobío) Chile.



Para Dueña Berta (¡92 años de vida!) con muuuuchas gracias
por su divino Arvejado servido en su centenária cocina  - ¡volveré!


Sobre trilha sonora de "La Vida Mía", de Leda Valladares

Sale el sol, sale la luna, la vida mía
con su vajilla de plata, la vida mía
una madejita de oro, la vida mía
del lindo sol se desata, la vida mía.

Yo soy paloma del cerro, la vida mía
que voy bajando a la aguada, la vida mía
con las alitas la enturbio, la vida mía
por no tomar agua clara, la vida mía.

Palomita, palomita, la vida mía
paloma del palomar, la vida mía
todas salen, todas entran, la vida mía
todas salen a volar, la vida mía.

Las estrellitas del cielo, la vida mía
forman corona imperial, la vida mía
y sola en medio del campo, la vida mía
vidala quiero cantar, la vida mía.

Homenagem Cidade de Tucumán, Argentina, 
a Leda Valladares