29 abril 2010

Frederico Füllgraf - Patagônia, começo e fim de mundo (2)

  


Crônica de viagem

Finnis Terre!

Debaixo das asas do avião, o continente sul-americano vai adelgaçando até o encontro do Atlântico e da Cordilheira, na Terra do Fogo; encontro que provoca o grande choque dos elementos.

Em Ushuaia o tempo pode mudar oito vezes ao dia. Terra de extremos, a Patagônia fueguina só conseguiu atrair e fixar a colonização européia no final do séc. 19. Até lá, o fim do mundo estava na lista negra da Igreja e da antropologia etnocêntricas. Conta-se que após a divulgação da descoberta por Fernão de Magalhães do estreito que leva o seu nome, a Igreja em Roma proscreveu os índios fueguinos, pois homens que viviam numa terra onde as árvores cresciam "para baixo" e a chuva e a neve caíam "para cima" (o “mapa mundi” invertido na cabeça dos clérigos, tão criativamente ironizado no mapa "de pernas para o ar", do artista uruguaio, José Torres-Garcia) não poderiam, em hipótese alguma, ser admitidos como descendentes dos primeiros pecadores, Adão e Eva – provavelmente sequer tinham alma... O reforço desta maldição veio pela boca de Sir Charles Darwin, autor da frase sem nenhum rigor científico, e por isso tristemente famosa: "A maldição e a esterilidade pesam sobre este país, e a água que desliza sobre seu leito de pedras, é parte da mesma maldição".


Ushuaia é cenário de experiências que vão da surpresa ao grotesco, passando pelo desconcertante. Por acaso existe experiência mais hilariante que chegar ao próprio “fim do mundo”? E lá este ele, sinalizado em todas as esquinas: Café do Fim do Mundo, World's End - a boutique do fim do mundo, o Museu do Fim do Mundo, o amor feito no fim do Mundo... Desconcertante não é apenas esta permanente simultaneidade da gênese e do apocalipse do espaço continental, planetário, mas também da concomitância dos tempos, onde convivem a paisagem mesozóica com o Cyber-Café.


Uma atração risível são as casas de Ushuaia: imensas casinhas-de-boneca de latão colorido, desafiando o céu, quase sempre encoberto. Exibem influências de estilo britânico e italiano, que o viajante já conhece da Boca, em Buenos Aires. As mais antigas, são construídas em madeira, com isolamento externo de latão, liso. Suas paredes internas são de madeira, isolada com papel de jornal, e coberta com papel de parede. Revelação insólita: a explosão demográfica ocorre até no fim do mundo. O "Plano de Promoção" do governo argentino, que na década de 70 atraiu dezenas de indústrias (desativadas após a extinção dos incentivos fiscais dos anos 90), fez Ushuaia inchar de 5.600 para 29.500 habitantes.

A (suposta) cela de Gardel

Na Prisão do Fim do Mundo, pécie de "Alcatraz finnis terre", construída pelos próprios prisioneiros no início do século 20, desativada na década dos anos 40, e reciclada como museu vivo, testemunhei a morte cruel dos meus dois maiores heróis argentinos: Eva Perón e Carlos Gardel. Primeiro, porque Alan Parker e Madonna assassinaram "Evita" no "Cine del Fin del Mundo", uma gigantesca tenda metálica intra-muros da ex-penitenciária, parecida com as cabanas das bases científicas da Antártida. Quando Evita-Madonna, apelou, moribunda, "Não chores por mim, Argentina", o público respondeu com desdém, e subitamente a maldição de Darwin parecia virar-se contra o próprio "império do mal"; o britânico... Depois, uma placa espúria (mas genuinamente argentina) fulminaria Gardel à entrada de um cubículo úmido e escuro, com a seguinte insinuação: "¿Uruguayo o francés ? ¿ Estuvo o no, preso en esta cárcel ?"

Era tarde demais para sussurrar "No habrá pena ni olvido": minha imagem de Carlitos jazia no chão de paralelepípedos puídos pela História. Aproximei-me do infame sumário e li boquiaberto: entre as versões sobre os motivos da prisão de Gardel em Ushuaia, constam "envolvimento com mulheres, política e alcagüetagem", confusões que culminaram em tiroteio. Daí, sua prisão no fim do mundo. E lá, sua redenção. Na prisão, Gardel reinventou-se como payador (milongueiro gauchesco) antes de decolar sua carreira de tanguero e ter as Américas a seus pés. Autos, sentenças e prontuários enviados de Ushuaia a Buenos Aires, "perderam-se" nos porões da antiga Penitenciária, na esquina das avenidas Coronel Díaz e Las Heras, em tempo para evitar embaraços à carreira de Gardel. Aliás, Charles Romuald Gardés: ídolo nacional argentino, nascido no Uruguai, de pai supostamente francês, e morto em acidente aéreo na Colômbia. Assim é Ushuaia: o fim do mundo é um demolidor de mitos - ou será que ele é seu arquiteto, dando-lhes corpo e sabor?


Na "Estação do Fim do Mundo", em Ushuaia, sobe-se a bordo do trenzinho com a bitola mais estreita ainda que a do "Viejo Expreso Patagónico", de Esquel, e durante uma hora passeia-se por um cenário hilariante: um século atrás, a floresta austral foi derrubada pelos prisioneiros para a construção da penitenciária e das primeiras casas de Ushuaia. "O que não foi derrubado, foi queimado pelas fagulhas do próprio trem", explica, resignado, o guia turístico. Depois, o último trecho do parque é feito por ônibus, que faz uma parada como se fosse para alardear um "SOS Mata Fueguina!". Ansiosa em re-povoar suas florestas do fim do mundo com fauna de clima frio, no princípio do séc. 20 a Argentina precipitou-se, comprando gato por lebre: importou castores norte-americanos, que não encontrando seu predador natural - o puma ou jaguar pardo, virtualmente extinto - estão devastando o bosque austral com sua fúria de construtores de diques, para isso juntando toras e galhada, onde alojam suas tocas. Desinteressados, até mesmo os zorros, os cachorros do mato patagônicos, pelos simpáticos e aplicados roedores, não restará outra alternativa à autoridade finismundi, que declarar aberta a temporada de caça ao castor, transformando-a em insólita mas incontestável atração eco-turística internacional: "Mate um castor, salve a floresta e ganhe o Troféu Finisterre!" – é o fim do mundo! ...


Última parada antes do transbordo para um barco na Bahia de Lapataia, um lago provoca um choque estético. Recortado de sonhos, emergindo dos labirintos do inconsciente, lá está o perfeito cartão postal hiperreal, imobilizando a imaginação: o Lago Roca.

O farol de Jules Verne

A esta altura, chegamos ao Canal de Beagle, e nevegá-lo significa experimentar outra emoção desconhecida. Escoltado à direita e à esquerda pelas últimas formações montanhosas do continente, o Beagle acompanha a Cordilheira dos Andes até sua morte no mar. Morte é uma palavra que ganha muito sentido neste lugar, pois muito sangue juntou-se às águas de cor esmeralda do Canal desde que o homem branco aportou por aqui, 120 anos atrás. A cultura dos índios-canoeiros, Ona, extinguiu-se em menos de duas gerações, porque a Europa depredou sua principal dieta alimentar; os leões marinhos. Destroços e fotos de navios baleeiros, no Museu do Fim do Mundo, também documentam um dos capítulos mais sinistros do saque biológico das Américas pela Europa: a caça inclemente e economicamente burra à Baleia Franca Austral.



Na saída do Canal de Beagle para o nada, está Les Eclaireurs, o "farol da luz no fim do mundo". Como Jules Verne nunca freqüentou estas derradeiras paragens, sua novela "O Farol do fim do Mundo" certamente se inpirou no relato de algum marinheiro viajado. Les Eclaireurs é o ícone da solidão. Silêncio e solidão são os grandes aprendizados da alma do viajante neste fim de mundo. E o silêncio e aquele desconcertante sentimento de pertença ancestral, são os temas do romance Mundo del Fin del Mundo, do chileno Luis Sepúlveda, cujo personagem-narrador traduz a universalidade destes sentimentos, nada boçais, apenas demasiadamente humanos, quando escreve:


"Agora eu sentia que eu também era de algum lugar. Finalmente sentia o chamado mais poderoso que o convite da tribo; este, que a gente ouve ou crê escutar, ou o inventa, como paliativo da solidão (...) Sob a abóbada de milhares de estrelas, que testemunhavam a frágil e efêmera existência humana, eu soube, finalmente, que era dali, e que ... levaria sempre comigo os elementos daquela paz, terrível e violenta, precursora de todos os milagres e de todas as catástrofes. Naquela noite, sentado no convés do Finisterre, chorei sem dar-me conta. Não era pelas baleias. Chorei, porque estava de novo em casa (...).


Gauchito Gil, Defunta Correa e as árvores petrificadas

 Na estrada rumo a Esquel é possível ter um encontro intrigante, não marcado, com um ícone da religiosidade popular. Plantado desafiadoramente em pleno deserto, está um misto de altar e oratório, composto por capelinhas de madeira, de cor vermelha, e cheias de votos (garrafas d'água, velas, ervas), ladeadas por três bandeirolas fincadas no chão, de trapos esgarçados pelo vento, também vermelhos, e uma cruz com uma tabuleta - sempre vermelhas - ofertados ao "Gauchito Gil", a quem seus devotos pedem proteção. Minha cabeça tenta entender, mas o resto do meu corpo apenas sente. E eis a dúvida: será mesmo uma forte energia que emana deste lugar sincrético, ou é a imensa solidão que me invade sob forma de percepção "religiosa"? É uma experiência que evoca imediata associação aos surtos místicos descritos por Isabelle Eberhardt, a filha de Rimbaud, enquanto atravessava o Magreb, montada em corcovas de camelo, travestida de homem. Já este culto patagônico originou-se em Cuyo, noroeste da Argentina, em homenagem à "Defunta Correa". Segundo a lenda que a declara santa, a personagem teria conseguido amamentar seu filho durante vários dias após sua morte por sede, no deserto.


Em Sarmiento, no coração do deserto, 130 milhões de anos do planeta Terra parecem codificados no "Bosque Petrificado", localizado à entrada do tenebroso (sim, ensolarado, mas tenebroso!) "Vale da Lua". Gravado a cores em estratificações de idade geológica embasbacante, um inquietante criptograma de arenito e rocha magmática apresenta-se aos olhos assombrados. Este contato com os proto-elementos, sua pétrea beleza e a incomensurabilidade do tempo, potenciam o estupor psicológico, experimentado no contato com o silêncio do deserto. Feito peixes fora d´água, agonizantes, troncos jurássicos estraçalhados pelas intempéries, jazem no chão de cinza vulcânica. Sua escamação quer indicar que só agora ingressaram em estágio de demorada morte mineral, até sua pulverização. Na saída do Vale são quase nove horas da noite: sol de fogo, a oeste, e lua pálida de susto, a leste, surpreendem-se, cara a cara – o espetáculo é ambivalente, mas a alma entrega-se a ambos.


Um cavalo heróico, e um escritor mentiroso

 
Etta Place, bela e bandida


Esquel é a porta de entrada do Parque Nacional de los Alerces, a poucos quilômetros de Trevelin, o bastião avançado da colonização galesa ao pé dos Andes. Aqui é fácil entender uma antiga, mas falsa indignação do Chile. Foi graças a um plebiscito realizado entre os galeses, no final do séc. 19, que toda esta região, povoada, sobretudo, por índios araucanos, do Chile, que fugiram à expansão do império Inca, atravessando os Andes, foi incorporada à Argentina, depois de espertamente "anexada" por estancieiros chilenos, que seguiam as pegadas dos nativos exilados. Só mediante a convocação de uma comissão internacional de arbitragem é que o Chile reconheceu finalmente que as terras argentinas eram as que se localizavam a leste das nascentes andinas, correspondendo-lhe apenas as localizadas a oeste, na face do Pacífico.


Mas a atração imperdível de Trevelin é a "Tumba do Cavalo Malacara". Sepultado ao lado de seu dono, o pioneiro galês, John Daniel Evans, a quem serviu durante trinta anos, o Malacara é venerado como atração turística por Clery Evans, neta do pioneiro. Recebendo seus visitantes na casa do avô, transformada em museu particular, Clery reconstitui o drama dos quatro bravos galeses, que em 1879 cavalgaram de Rawson, na costa atlântica, até os Andes, e que na volta foram emboscados por índios, que os confundiram com soldados do Gen. Roca. O único que se salvara foi John D. Evans, porque o Malacara teve a audácia de saltar de um precipício com quase 20m de altura e escapar – vivo!. Inteirado da morte dos três companheiros de Evans, o cacique Tehuelche veio ter com Evans, desculpar-se. Só depois deste incidente o governo argentino enviou seu primeiro destacamento militar aos Andes, e deu posse de terra, até então “chilena”, aos galeses. Moral da estória: não fosse um cavalo, e o mapa da América do Sul teria outro traçado.


Outra nota de rodapé da História, desta vez do crime, foi escrita em Cholila, povoado do setor nordeste do parque. Há lá uma atração só recentemente incorporada aos roteiros turísticos, da qual anteriormente o país preferia não vangloriar-se: uma cabana que de 1901 a 1907 serviu como sede da fazenda comprada pelo "Wild Bunch", o quarteto mais procurado pela justiça norte-americana na virada do séc. 19. Após memoráveis assaltos a trens e bancos, nos EUA, Robert Parker (aliás Butch Cassidy), Harry Longabaugh (aliás Sundance Kid, já imortalizado por Robert Redford), e a bela pistoleira, digo professora, Etha (Ethel) Place, fugiram para a Argentina, fixando-se em Cholila. Harvey Logan, o quarto elemento do bando, ainda cumpria pena nos EUA, chegando a Cholila somente em 1905.


Afirma-se que com a chegada de Logan o bando retomara sua trajetória criminosa, assaltando bancos no sul da Patagônia. Num desses assaltos, Logan teria baleado mortalmente o gerente de um banco, violando o código de ética da quadrilha, que rejeitava mortes. E este teria sido o fim do breve interregno de paz do Wild Bunch, que novamente caçado, teria cruzado a Cordilheira dos Andes, em direção ao Chile, onde suas pistas foram engolidas, em 1907. O ex-general boliviano, René Barrientos, matador de Che Guevara e estudioso obsessivo do gênero western, mas descrente da lenda, segundo a qual o bando teria sido morto em 1909, durante um assalto à mina de zinco San Vicente, na Bolívia, realizou uma investigação que confirmaria as suspeitas da agência de detetives, Pinkerton, dos EUA: "foi tudo armação!", afirma Barrientos. Segundo Pinkerton e Barrientos, pelo menos Cassidy, e antes dele, Etha Place, teriam conseguido salvar sua pele, retornando clandestinamente aos EUA. Ainda segundo a irmã de Cassidy, viveram incólumes, e suas carreiras tiveram um happy end.


Mas esta é apenas uma de várias versões desencontradas, cujo objetivo é pintar o ocaso da quadrilha com vernizes de glamurização. No início do novo milênio, estudiosos da aventura de Cassidy e do Sundance Kid, reuniram-se em barulhento congresso internacional, no sul da Patagônia. E nesta oportunidade fizeram um enérgico acerto de contas com o finado Chawin, ao qual, segundo o pesquisador Negro Suárez, "a única coisa que lhe importava ao escrever era que sua estória fosse eficaz”. Juárez confirma que aqueles túmulos encontrados em Río Pico, não são, como afirmou Chatwin, as tumbas de Butch e Sundance. Como de resto, aliás, Chatwin tomou ousadas liberdades poéticas, estacionando na paisagem patagônica múltiplos objetos de sua imaginação.


El Viejo Expreso Patagonico


 Romantismo à la "velho oeste", aqui superado pela paisagem jurássica e selvagem do deserto de Chubut, é o que proporciona uma viagem com seis horas de duração a bordo do "Viejo Expreso Patagonico". Os Guanacos da planície parecem divertir-se com sua passagem, aguardando o trem à beira dos trilhos, para então dispararem em debandada, quando ele se aproxima, tossindo vapor e cuspindo fumaça negra. Hoje, o que resta da lendária estrada-de-ferro de 450 km, que servia de meio de transporte entre as fazendas dos criadores de ovelhas, no oeste patagônio e a costa atlântica, é o trecho de 165 km, entre Esquel e El Maitén. Uma vez por semana, e para o deleite de turistas de todo o mundo, "La Trochita" (assim chamado devido à sua bitolinha de 0,75cm de largura) arrasta-se ofegante durante seis horas pela mais árida e instigante paisagem patagonica. Suas locomotivas belgas ou norte-americanas, da década dos anos 20 (as velhas Henschel alemãs foram aposentadas no "cemitério de trens", o ramal morto de El Maiten), consomem 2 mil litros de água por cada 40 km rodados, o que obriga a Trochita a fazer quatro paradas de reabastecimento no trajeto.


Impulsionado pelos ventos neoliberais, do quanto menos Estado, melhor, o Governo Menem tentara paralisar a linha, "defitária", mas os bravos ferroviários patagônicos se rebelaram, assumindo o serviço em regime de auto-gestão, no que foram aplaudidos por turistas dos quatro cantos do planeta, e pelos paysanos que dele necessitam para se locomoverem na paisagem.


Parque de los Alerces

As árvores, que dão o nome ao Parque Nacional de los Alerces. de 263 mil hectares, localizado entre Esquel eBariloche, chegam a atingir 3,5m de diâmetro, 60 m de altura, e idades superiores aos 3 mil anos. Sua concentração maior é no Lago Menéndez, podendo-se, porém, abraçar exemplares isolados às margens do Lago Futalaufquen, o primeiro a ser alcançado por quem vem de Esquel. Os dois mencionados, são os maiores e mais bonitos de um complexo sistema lagunar, que forma o Rio Futaleufu em plena Cordilheria dos Andes. Este atravessa a cordilheira em sentido leste-oeste e desemboca no Oceano Pacífico, aqui tão próximo quanto o próprio Chile, para o qual conduzem vários pasos através das montanhas.


O Lago Futalaufquen é o mais belo. Encontra-se ao sul do Lago Menéndez, ao qual está ligado pelo Rio Arrayanes. O céu diáfano da Cordilheira e os minerais de seu leito concorrem para a definição de seu matiz azul leitoso. Grande número de enseadas com pequenas praias lastradas de seixos, seduzem para um banho, pelo menos um mergulho em suas águas – é vão o esforço do sol em aquecê-las, pois sua temperatura média, no verão, não ultrapassa os 5 graus centígrados. O Arrayanes encontra-se no braço nordeste do Futalaufquen, o Rio que o visitante cruza sobre uma a ponte pênsil, caminhando no máximo 40 minutos até o Lago Menendez. Após Puerto Chacao, de onde partem os barcos para o tour dos lagos, chega-se ao mirante com a deslumbrante vista para as geleiras do Cerro Torrecillas. Todo o roteiro Trevelin-Expreso Patagonico-Parque Nacional de los Alerces é possível fazer em três, no máximo, quatro dias, com alojamento-base em Esquel, onde o visitante encontrará confortáveis chalés (aqui chamados de cabanãs) de dois pisos, a preços acessíveis.

Os novos donos do fim do mundo

Última etapa andina de um roteiro de mais de 6.500 quilômetros rodados em carro, está o segmento Esquel-El Bolsón-Bariloche, pela RN 258 asfaltada, cujos 280 km bordejados de altas montanhas e lagos, lembram cenários do Vale d'Aosta alpino, entre a Suíça, a Itália e a França. Região de forte tradição indígena, a Bacia do Lago Nahuel Huapi foi ocupada pelo homem branco (espanhóis e alemães, sobretudo) apenas no final do séc. 19. Sua arquitetura e seu paisagismo não conseguem esconder intenções e tentativas de seus colonizadores, em domesticar um cenário andino, impregnando-o com matizes europeus.

As culturas pré-e pós-colombianas aqui não sobrevivem, são apenas lembradas por nomes e marcos tão melodiosos como Nahuel Huapi, "o lago dos Tigres". Misto de Lago Lemans e Tizzino, Lago Garda e Saint Maurice, Bariloche já tosse sufocada sob o impacto dos 500 mil turistas anuais, que para cá são atraídos por paisagens capazes de empalidecer a Europa de inveja, com serviços do topo do ranking de qualidade internacional. Feito mosteiro budista incrustado nas escarpas do Tibet, está o Hotel Llao Llao plantado sobre uma península de frente para o Parque Nacional de Nahuel Huapi. Templo do moderno recondicionamento de habitantes urbanos, endinheirados e estressados de todo o mundo, o Llao Llao não oferece apenas esportes (golf, paddle, caça, pesca, mountain bike, rafting, trekking), mas também os curativos para estas provas de resistência: piscina climatizada, sauna, hidromassagem, banho de vapor com aroma-terapia, oxigenação com creme de ervas, hidratação com soros marinhos, ampolas com frutas e flores, máscaras hidratantes, tonificantes, revitalizantes, remineralizantes, bioreestruturação facial - um programa, enfim, que faz da Cordilheira dos Andes a "nova fonte da juventude".


Eis, pois, a promessa da "vida eterna", que o mega-especulador planetário, George Soros, percebeu como fonte de negócios, adquirindo em torno de 1,0 milhão de hectares, e por tabela o Resort Llao Llao. Condenado à prisão pela Justiça Francesa, e com processo pendente na Corte Européia, acusado de crimes de guerra no Vietnã, no Camboja, e por incentivar os golpes militares no Chile e na Argentina, de 1973 e 1976, outro que se refugia ao pé da Cordilheira, em Bariloche, é o Dr. Henry, aliás Henry Alfred Kissinger, ex-Secretary of State de Nixon. Mas antes de Soros e Kissinger, viera a dinastia Benetton – o maior grupo latifundiário do finis terre - e depois dela chegaram Ted Turner (ex-CNN), e o mega-comprador de terras Douglas Tompkins – todos comprometidos com a “conservação ambiental” da Patagônia. Que Deus lhes cobre, porque

"o Homem destrói, quando acha o que procurava"
(Hans Magnus Enzensberger, escritor e ensaísta alemão)

(Ilustrações: taringa.net; interpatagonia; descubrepatagonia.com/)